colu

Mas é lavanda de verdade?

0 Flares 0 Flares ×

Este texto não vai ser técnico, vou falar de forma bem simples sobre uma dúvida que muitas pessoas começam a mostrar em nosso país e, apesar de ser meio cansativo explicar sempre, esse interesse me deixa feliz por ver que o povo que mora no país com a maior flora mundial (nosso Brasil!) começa a se interessar pelos tais óleos essenciais.

A pergunta que ronda a cabeça de muita gente que começa a entrar em contato com o mundo dos aromas naturais é por que as essências de olíbano, alecrim, jasmim, entre outras, são tão caras e, em alguns mercados populares, como no Saara (RJ) e na 25 de março (SP), são tão baratinhas?

A resposta é muito simples e vai iluminar a sua vida: estes frasquinhos de essências que você compra por aí nos mercados e lojas que vendem artigo para artesanato de sabonetes e perfumes sintéticos NÃO SÃO óleos essenciais.

Pronto, primeiro passo: você acabou de descobrir que essência é uma coisa e óleo essencial é outra e são muito, mas muito diferentes! As essências, essas que você encontra nas lojas de artesanato, são “cheirinhos” feitos em laboratório, enfrascados no plástico e mandados em toneladas para as lojas. É apenas um cheirinho, não tem mais nada ali. Quando você compra um cheiro desse de alecrim, não há alecrim algum ali! Sinto muito informar isso para você!

Quando compra o cheirinho de lavanda para fazer um difusor para a sua casa, você pode até ter o cheiro da lavanda, mas não há nada dessa planta nesse aroma, como a calma e a tranquilidade que ela traz. Então, toda vez que você for comprar seus aromas de canela, tangerina, alecrim ou de qualquer outra planta, certifique-se de que está realmente comprando óleos essenciais e não, essências sintéticas.

E como você vai saber diferenciar? A mais marcante diferença é o preço. Uma essência do maravilhoso patchuli, por exemplo, custa em média R$ 10,00 a R$ 15,00. O óleo essencial está em torno de R$ 50,00. Viu a diferença? Óleos esencias são caros, pois são destilados das plantas. Para se conseguir um litro de óleo de rosas, podem ser necessárias até três toneladas de pétalas. Os processos de destilação são caros e complexos. Outras diferenças estão nas cores, nas texturas, nas embalagens. Óleos essenciais não são embalados em plástico, pois eles podem corroer os mesmos.

Geralmente estão em vidros âmbar, pois também têm sua estrutura modificada se pegarem muita luz. São muito sensíveis. Uma outra questão é que não são vendidos, ainda, em qualquer lugar, e isso é polêmico: a ANVISA pega no pé dos óleos essenciais alegando “risco à saúde”, mas deixa o povo tomar Coca-Cola e Rivotril de boa, certo?! Sabemos muito bem que os óleos essenciais são um “perigo” para a milionária indústria farmacêutica.

Mas por que usar os óleos essenciais e não as essências, já que os primeiros são tão custosos? Se você está querendo usar lavanda por causa das propriedades dela, logicamente você só vai conseguir nos óleos essenciais. Venho lembrar que as essências são apenas cheirinhos. Esses cheirinhos não carregam em si todas as propriedades químicas dos óleos, que agem em nossos corpos físicos e em nossas emoções. Além disso, a questão energética é de grande importância.

Um pé de lavanda cresceu, sugou os nutrientes da terra pelas suas raízes, pegou sol, vento, chuva, viveu. Esse pé de lavanda tem a sua própria história, tem vida nas suas veias, produziu nutrientes, trocou com o meio ambiente, é um organismo, e olha que estou escrevendo muito ‘en passant’. Há vários estudos que já apontam que as plantas sentem e trocam energia (quem aqui não conhece aquele clássico livro da década de 1970, ‘A vida secreta das plantas’?). Quando o óleo essencial é extraído da planta e colocado em um frasco de vidro, o que temos é um verdadeiro tesouro. O próprio nome “óleo essencial” significa “azeite que carrega a essência”, ou seja, um óleo que carrega a alma da planta!

Então, você já sabe: quando comprar aquele perfume ou sabonete que dizem ser de alecrim, de laranja, de lavanda, certifique-se de que se trata de óleo essencial, e não de essência sintética, caso contrário, você terá apenas um cheirinho. Se quer realmente a energia das plantas, use óleos essenciais e descubra este maravilhoso mundo.

Palmira Margarida é historiadora e pesquisa a história dos cheiros, é a pisciana mais ariana de que se tem conhecimento. Descende de italianos e adora uma massa, mas fala sem gesticular. Ama viajar e captar os aromas das trilhas, das culturas e das ideias. Está em busca do profundo perfume do Ser. Escreve neste espaço às quintas-feiras. E-mail: margaridalquimia@gmail.com 

Imagem: AliExpress.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 0 0 Flares ×