colu

O que não te contaram sobre empreender

2 Flares 2 Flares ×

Quando saí do mundo do emprego formal e resolvi apostar em algo de que eu gostasse e acreditasse, não fazia ideia, como a maioria das pessoas não faz, de que minha vida não seria um mar perfumado de rosas. Eu imaginava que ficaria o dia inteiro imersa em meio a frascos de perfumes, cheirando papéis perfumados e ouvindo Debussy enquanto criava fórmulas novas. Quero contar para você que essa cena renascentista deve representar uns 5% ou menos do que se tornou meu cotidiano, em busca de alavancar serviços e produtos da minha marca de perfumaria botânica.

Amigos, conhecidos, clientes ou qualquer pessoa que não seja autônoma acham que eu passo os dias meditando, cheirando flores, dormindo (para ter aquele tal processo do ócio criativo) e lendo poemas para me inspirar. Sinceramente, eu gostaria, e muito, de viver como uma alegoria de uma obra do Alma-Tadema. Mas a verdade é que, se você não tem uma herança para receber, um apartamento próprio, uma mesada ou aposentadoria, a sua vida “fazendo algo em que você acredita” vai ser muita louca, ainda mais no Brasil, ainda mais em uma cidade grande, ainda mais sendo um negócio sustentável. Então, este texto se dirige às pessoas que estão pensando em se jogar no mundo dos negócios sustentáveis, artesãos e terapeutas holísticos, e aos que já estão nesse caminho e precisam de um apoio.

Mas, antes, quero deixar claro que estou levando em conta aqui que isso virou realmente o seu ganha-pão, e não um hobby, OK? Estou supondo que você pague o seu aluguel e contas básicas com esse trabalho, e não que você more com seus pais ou que tenha uma outra fonte de renda.

1. Você não tempo para mais nada além de trabalhar

Sim! Eu não quero te desanimar, mas te dar forças e coragem para não desistir logo no primeiro ano. A não ser que você tenha dinheiro para investir um inicial e contratar empregados e secretária, você não terá muito tempo. Vai ser trabalho duro como no meio corporativo, e você virará um workaholic da sua própria empresa. Na verdade, será muito mais trabalho, porque você entenderá que, se não cumprir todas as tarefas com qualidade, as contas não fecharão ao final do mês, e a responsabilidade será só sua.

2. Você terá que aprender a ser multifuncional

Supondo que você saiu do zero, terá que dar conta de tudo sozinho. Meu ramo é perfumaria botânica e atendimentos com terapias, mas, como eu disse, essa parte linda toma apenas 5% do meu tempo, em todo o resto eu estou negociando preço com fornecedor, mexendo em planilhas do Excel, criando material digital no Photoshop, no Corel, escrevendo textos no Word, revisando, criando estratégias de marketing, analisando custos, fechando contas, comprando material, carregando muito peso de um lado para o outro da cidade (eu trabalho com frascos de vidro), limpando a minha casa, esfregando o vaso sanitário (sim, meus clientes precisam e merecem encontrar tudo limpo e cheiroso), exercendo a paciência com os servidores da prefeitura, da Firjan, do INPI, da ANVISA, da gráfica, estudando como louca para dar conta do doutorado (sim, meus clientes merecem que eu entregue um serviço de ótima qualidade, e isso significa, entre outras coisas, eu dominar profundamente o assunto que vendo), pegar busão lotado, trem, metrô, e tudo isso carregando muito peso (táxi não pode, corte de custo, afinal, não há um patrão para pagar essas coisas para você).

Ah, sim, responder todas as centenas de mensagens, e-mails, WhatsApp, Facebook, Instagram, Pinterest que você receberá diariamente, ir aos correios, checar caixas, reunião com cliente, com lojista, negocia preço, negocia serviço, fazer os perfumes (lógico). Fazer entregas e atender também nos fins de semana. Vai fazer tudo isso ao mesmo tempo e, ainda, lógico, lavar as suas roupas, passar, limpar a sua casa (que é onde eu atendo, afinal, não posso ainda alugar dois locais, e sem diarista, corte de custo!), escrever para a Vertigem, para a CAPES (sim, pesquisador responde ao governo). Ufa.

3. Seus amigos, conhecidos e parentes ficarão chateados e com raiva de você

Principalmente se você trabalha com coisas bonitas, como terapia e perfumes. Sim, as pessoas vão acreditar que você vive em um quadro do Botticelli, mesmo que você explique com todo carinho que está há três noites sem dormir porque não teve tempo. Já aconteceu de eu deixar de dormir (duas horas que eu havia separado para isso, após uma semana intensa em que trabalhei todas as madrugadas) para poder sentar e dar atenção para uma amiga que reclamou que eu não estava dando atenção. Foi bom para mim? Sinceramente, não, eu deveria ter dormido. No outro dia estava doente. Mas, para minha total alegria, meus pais entendem minha vida, na verdade, eles se orgulham e nunca reclamam sobre o meu tempo. Eles ficam felizes em saber que estou feliz fazendo o que amo, que estou estudando onde queria e que me banco sozinha faz tempo. Meus pais são pessoas bacanas.

4. Você vai ter que aprender a dizer não e a limitar seu espaço sagrado

Aprender a dizer não para os dois lados: tanto para as pessoas que realmente não conseguem entender que a sua rotina está muito puxada e que você está correndo atrás dos seus sonhos e da sua sobrevivência, como também para você mesmo, quando vê que está chegando ao limite. Para isso, eu criei, na minha tabela de cronograma, horários de descanso, e eles são bem demarcados: um feriado que eu tiro para me isolar no mato, um encontro mensal que faço com minhas clientes para finalmente pode descansar e ter meu horário de lazer. De resto, quando você vê que vagou meia hora em um mês, tenha certeza, você não vai querer conversar com ninguém, você vai querer surfar na sua cama.

5. Você não poderá ficar doente nem chegar atrasado no trabalho

Ao contrário do que acontece em um emprego normal, se você ficar doente, o seu salário não cairá milagrosamente na conta ao final do mês. Se você chega atrasado ou dá aquela escapadinha a mais no horário de almoço, ninguém vai brigar com você ou te olhar de cara feia, mas provavelmente suas contas não fecharão.

6. Você terá que ter cuidado com certos assuntos, mas não precisa ser um alienado

Minhas formações são na área de humanas, eu amo falar sobre política, e esse tema para mim nunca foi mera opinião, eu sempre discuti política, questões sociais, isso está no meu sangue, é matéria básica. Alguns de seus clientes com opiniões contrárias não aceitarão que você fale sobre política e usarão isso para queimar a sua imagem ou te julgar. Eu sou a favor das cotas e da redistribuição de renda, por exemplo, e uma vez falei abertamente sobre isso no Facebook. Disse algo sobre como na história da humanidade (sou historiadora) estruturas desiguais só foram desfeitas com revolução e que entenderia bem a “favela descer para o asfalto”. Uma ex-cliente pegou essa parte da fala e utilizou isso contra mim, argumentando que eu era uma farsa e que não era uma “pessoa que pregava o amor”.

Expliquei a ela, pacientemente, com argumentos sócio-históricos (textão), como a espiritualidade e questões sociais são fatores interligados. Ela respondeu debochadamente com um “namastê”. Historicamente, espiritualidade está diretamente ligada a questões sociais, afinal, o que mesmo Jesus pregava? E a filosofia antiga chinesa, tibetana, indiana (enfim, papo para outro artigo)? Afinal, de que adianta ficar meditando durante horas no seu tapetinho de R$ 300 se, quando uma pessoa diz que a favela existe, você treme?

7. Namore/se case com alguém que acredite nos seus sonhos

Relacionamento é soma, e a pessoa que está contigo precisa acreditar em você, assim como você precisa incentivar os sonhos dela também. Casais que dão supercerto — certo de verdade, não os que fingem que dão certo — estão alinhados em seus sonhos e filosofias de vida. E se ele/ela acredita nos seus sonhos e dá valor a isso, irá entender a sua rotina. Lembre-se também de que há um ser vivo ali que precisa de atenção, apoio e incentivo. O ideal é que vocês sejam confidentes a apoiadores nessa empreitada toda. Não jogue suas frustrações, raiva e cansaço no seu parceiro, nem na comida, nem em algo destrutivo. Esqueci de falar que às seis da matina já estou fazendo meus exercícios físicos a fim de manter minha saúde.

8- Apesar de tudo, vale a pena!

Sim, queridos, chego ao fim dizendo que tudo vale a pena quando estamos fazendo algo em que acreditamos e que amamos. Vale a pena essa correria para ter aqueles meus 5% de paz, de olhar para os meus frascos de perfume, sorrir internamente e dizer: está aqui a minha missão. Qualquer concretização de sonho exige esforço e disciplina. Então, mãos à obra, potencialidade máxima e nada de preguiça. Quando o desânimo bater, converse com outros empreendedores que passam pelo mesmo e siga em frente sem olhar para trás. Respira, não pira!

Palmira Margarida é historiadora e pesquisa a história dos cheiros, é a pisciana mais ariana de que se tem conhecimento. Descende de italianos e adora uma massa, mas fala sem gesticular. Ama viajar e captar os aromas das trilhas, das culturas e das ideias. Está em busca do profundo perfume do Ser. Escreve neste espaço às quintas-feiras. Para saber mais sobre atendimentos e produtos com aromas naturais: palmira.margarida@revistavertigem.com

2 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 2 2 Flares ×