colu

Um lamento triste

0 Flares 0 Flares ×

Nesta semana, temos a Lua Cheia no signo de Escorpião, justamente no dia que marca a descoberta do Brasil pelos europeus, os portugueses. Na mesma semana, comemoramos o Dia do Índio (19), do indígena, do nativo que já estava aqui antes da “descoberta” do Brasil. Também comemoramos dia de São Jorge (23), que, na mitologia iorubá, é Ogum.

Aqui neste país, que é bem grande e é quase um continente, é preciso recontarmos a nossa história em cada esquina, em cada oportunidade. A história grita e salta aos olhos em cada canto do Brasil, mas o brasileiro médio não quer ver, não quer escutar sua própria história, não tem interesse em ser brasileiro com muito orgulho e com muito amor, exceto diante da emoção de vestir a camisa da Seleção e cantar o Hino Nacional. A camisa, depois de assistir ao 7 a 1, ficou um pouco envergonhada, mas nada se compara ao vexame de servir de uniforme para o fascismo, como tem acontecido ao ser usada pelos que apoiam o golpe à democracia. Um lamento triste.

Avaliando o mapa da Independência do Brasil e os trânsitos, temos as polaridades de Peixes e Virgem. O Sol natal desse mapa do Brasil quer a ordem, e Júpiter em trânsito pede que repensemos que ordem é essa que queremos. Será que fazemos por merecê-la? A Lua da Independência é Peixes, a Lua é o povo. Essa Lua é o amor incondicional, mas é também o escapismo e o caos. A Lua ontem (dia 17) estava em Virgem, junto a Júpiter, que representa os ricos. Mais uma página infeliz da nossa história. Sofremos pela ilusão e o conservadorismo. Não existe ordem se tentamos escapar de lidar com as questões do submundo que vêm à tona para, obviamente, serem iluminadas. É bom lembrar: apesar desse caos, temos mais negros nas faculdades e saímos do mapa da extrema pobreza.

Na Independência, fomos marcados com Marte em Sagitário. Nossa vontade é lutar pelas leis, Marte em trânsito está justamente em Sagitário, mas, desde ontem (dia 17), está retrógrado. Vamos ter que lutar pelas nossas leis com apoio de Ogum, pois estamos assistindo a um retrocesso e precisamos justamente ser responsáveis com assuntos sagitarianos. Precisamos nos movimentar para reestruturarmos nossa educação e nossa filosofia de vida enquanto nação. Afinal, somos a pátria educadora.

Pois bem, a Lua cresce. A água em nosso corpo treme junto das marés. No plano individual, tremem as nossas emoções. Essa Lua Cheia que iremos encontrar dia 22 é uma Lua em queda. A Lua é aquilo que nos nutre, Escorpião é a morte, o sexo, a obsessão, a paixão. Nasci sob a Lua em Escorpião, tenho hoje a experiência em viver com ela de forma digna e íntegra. VIVER. Porque eu não aceito a sobrevivência. Digo-lhes: o antídoto é o amor. E não há outra forma de encontrar o amor no mundo sem passar pelo caminho da confiança em sua própria capacidade de amar.

Para lidar com essa Lua: livre-se do veneno. Ou melhor: beba do veneno uma dose que lhe permita ser curado. Livre-se do medo de ser traído, rejeitado, abandonado. Livre-se do ressentimento. Livre-se de pensamentos tóxicos e obsessivos. Livre-se do sentimento de vingança. Livre-se da desconfiança. A minha dica para toda esta semana é que você se cuide com muito carinho. Lamber as feridas faz parte da fase sobrevivência. Se as feridas doem, ardem, incomodam, cuide delas com muito carinho, mas não se limite a ver cicatrizar as suas feridas e continuar militando por elas com uma certa dose de vaidade. Isso é sobreviver e resistir. Ouse superá-las, transmutá-las. Entenda a mensagem de cada cicatriz no contexto do seu processo evolutivo e ame cada uma delas. Perceba: a única obsessão que vale realmente a pena é a direcionada ao autoamor. Apaixone-se pelo Ser de Luz que você é e nunca mais traia a confiança dele.

Para os budistas, na Lua Cheia em Escorpião comemora-se a iluminação de Buda. Várias pessoas meditam na comemoração do Festival de Wesak. O Sol ingressa em Touro no dia 19. Touro é a vida, o primeiro signo do elemento Terra, é o corpo físico, a comida, os recursos, o prazer. A Lua Cheia do Festival de Wesak acontece nesse eixo Touro/Escorpião, no eixo dos apegos e das pulsões de vida e morte.

Os meus conselhos para a Lua Cheia vão para além da sobrevivencia aos eventos do dia a dia e dos tempos sombrios em que estamos vivendo, meu desejo é que cada um tenha forças para lutar no lado de fora, nas questões da vida prática, no plano material, mas que também se dedique a mergulhar nas questões ocultas do seu próprio Ser. Conhecendo com profundidade o que o move a viver. Olhar para a vida com entrega e confiança, ciente da impermanência e da morte. Criando métodos para se blindar e não se identificar com o desamor.

Vá pelo caminho do amor.

Beijos de rosa e lavanda.
Sol em Áries (até 19.04.2016)/ Sol em Touro (até 20.05.2016)
Lua em Virgem (16.04.2016 às 20h23)/ Lua em Libra (19.04 às 8h24)/ Lua em Escorpião (21.04 às 21h18)/ Lua Cheia (22.04 às 2h24)/ Lua em Sagitário (24.04 às 9h47)
Mercúrio em Touro (até 12.06.2016) — Fica retrógrado em 28.04.2016
Vênus em Áries (até 30.04.2016)
Marte em Sagitário (até 27.05.2016) — Retrógrado
Júpiter em Virgem (até 09.09.2016) — Retrógrado
Saturno em Sagitário (até 20.12.201) — Retrógrado

* verso da canção “Um lamento triste”, de Paulo Cesar Pinheiro, famosa na voz de Clara Nunes.

Paula Maia é carioca, geminiana, trabalha com terapias que buscam o equilíbrio energético e é amante da natureza e da astrologia. Escreve neste espaço às segundas-feiras. Para saber mais sobre consultas astrológicas e reiki, entre em contato pelo e-mail: paula.maia@revistavertigem.com

 

Imagem: www.pontosdeumbanda.com.br

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 0 0 Flares ×