Piky Candeias

: :

O Enforcado

Tem dias em que a vida é muito chata, não temos vontade de fazer nada, queremos dormir ou ficar assistindo a vários episódios de uma série até o outro dia. Tem dias em que seria melhor que o dia apenas passasse, e que a gente pudesse ficar parado, sem nenhum movimento.

Se for só um dia, tudo bem; se forem vários, talvez você esteja sem estímulo, sem entusiasmo, sem vontade. Talvez você tenha percebido que a vida que você leva não está boa ou não tem nada a ver com a sua essência. A carta do Enforcado, o 12º arcano maior do tarô, é sobre uma parada, às vezes forçada, às vezes positiva, às vezes negativa, se ela não tiver fim.

De natureza cumulativa, o Enforcado está de cabeça para baixo, é como se ele tirasse a cabeça do comando, atirando-a em direção às profundezas, como se para criar raiz. Ele é uma espera, está sendo gestado para renascer.

Temos essas temporadas, de maturação, de aguardo ou de luto. Períodos preciosos para quem consegue sair da frente do computador e de fato se recolher, se preparar para o que vem. Em geral, são oportunidades em que questionarmos nossas crenças e descobrirmos o que é nosso de fato e o que são crenças “emprestadas”. Só fique atento para compreender seu significado, aproveitar a pausa. E não se demore no Enforcado, ele é uma parada fundamental, mas com data de término.

Piky Candeias é paulista, jornalista, taróloga, estudante de astrologia e curiosa sobre todos os processos terapêuticos que ajudam no equilíbrio energético. Escreve neste espaço às sextas-feiras. Para saber mais sobre atendimentos com tarô e astrologia: piky.candeias@revistavertigem.com